terça-feira, 5 de maio de 2009

Teorias (paranóicas) que até se comprovam

Tenho problemas de confiança.
Admito isso, e que antigamente se manifestava em inseguranças e ciumes desnecessários. Agora não, comecei a guardar essas manifestações para dentro de mim, acho que são excessivas e nunca quis ser daquelas pessoas paranóicas que vê coisas onde elas não existem.
Mas os problemas de confiança continuam. Acho que começaram desde que descobri que quando os meus pais me diziam que a praia estava fechada, ou que o pai natal existia, era mentira. A partir daí devo ter começado a desconfiar das pessoas.
Criei então uma teoria, entre muitas outras teorias sem lógica e fundamentos que eu tenho, a teoria que não posso confiar em ninguém.
Provavelmente se estivesse a conversar na rua com alguém e essa pessoa me dissesse que não confia em ninguém eu diria que era louco, onde já se viu, não confiar em ninguém. Faz-me lembrar aquelas pessoas nos filmes que acham que os extraterrestres puseram-lhes um chip na cabeça para espiar a humanidade então não confiam, falam ou olham para ninguém. Não, eu não chego a esse ponto.
Mas eu nem em mim confio! Eu sei lá o que sou capaz de fazer, provavelmente posso prometer uma coisa hoje e amanhã dar-me qualquer coisa na cabeça e fazer o contrário, por esse motivo decidi não prometer algo muitas vezes.
Até agora este problema de confiança nunca me deixou a sentir mal, não confio nas pessoas e pronto. Azar. Somos humanos, como raio é que eu posso acreditar? Digam-me alguém que cumpra a sua palavra, que nunca tenha feito alguém sentir-se mal ou cometido erros, existe alguém? Sim, se calhar um ser supremo, mas não viverá por aqui no planeta terra, portanto não confio. Não confio porque não consigo confiar as coisas da minha vida a alguem, não dá, tenho a mania que sou incompreendida e gosto de ter os meus problemas só para mim.
Mas agora esse problema tem-se manifestado, pois existe alguém que é interessada nesses problemas e paranóias. E a minha desconfiança nas pessoas põe uma barreira nisso, se bem que eu também não fazia nada por destruir essa barreira, não fazia nenhum esforço. Mas prometi fazer um esforço (lá está, as promessas) e quero fazer um esforço, e quando digo para mim que esse alguém merece o esforço, merece a minha confiança, a minha teoria é toda confirmada e eu apercebo-me novamente:
Somos humanos, e eu não devia confiar em ninguém.

2 comentários:

Kate disse...

Nhé, anyway... as tuas teorias são demais. E as minhas também. E se formos a ver a nossa relação é baseada em montes de teorias que criamos.
:X eu por vezes tenho paranóias parecidas com aquela do ship dos extraterrestres, mas um pouco diferente. E não devia estar a comentar isto aqui, porque tu podes ser um deles.

Dantins disse...

É difícil confiar, mas devemos dar a opotunidade de nos provarem que são de confiança!