quinta-feira, 22 de julho de 2010

Ando para aqui a matutar nisto....

14 de Junho de 2010:
"Protagonista de "Morangos" assume relação "gay" durante o Verão"

19 de Julho de 2010:
"TVI corta beijos gay"



É conhecida a informação de que os adolescentes homossexuais tem maior tendência para se tentarem suicidar.
Infelizmente percebe-se porquê: deparam-se com duvidas que a maioria dos colegas não têm e não percebem; sentem-se sozinhos, incompreendidos; têm, muitas vezes, famílias e amigos preconceituosos; começam a entrar em depressão e a isolar-se cada vez mais, e parece só haver esta solução final.
Quase todos os homossexuais sabem desta fase que estou a falar, a fase de negação, e o quão difícil e traumatizante pode ser.

Devido a isto, considero realmente importante as séries juvenis, as escolas, e todas as áreas em contacto com jovens, de serem os primeiros derrubadores de barreiras preconceituosas.
De dizerem aos jovens que a diferença existe, que são todos diferentes, que não interessa ser preto ou branco, heterossexual ou homossexual, gordo ou magro, alto ou baixo, social ou mais introvertido.
Ninguém tem de ser igual a todos os outros, cada um tem características próprias, que nos definem, que não são piores ou melhores que as dos outros, apenas diferentes. E a diferença é boa.
Todos diferentes, todos iguais, no fundo.

O caso dos morangos com açúcar transmite apenas uma ideia: a de que o amor entre duas pessoas do mesmo sexo não é digno de passar na televisão.
E tem duas consequências:
permitir a continuação dos preconceitos para com os homossexuais e de uma sociedade pouco diversificada;
e permitir que os homossexuais jovens, já com demasiadas dúvidas e negações, se sintam ainda mais excluídos, se isolem cada vez mais e, mesmo que esteja a ser demasiado exagerada, se suicidem;

Gostava bastante de que as produtoras não se importassem SÓ com as audiências, mas sim com o papel importante que têm na vida dos jovens.
Gostava que agarrassem nessa oportunidade e fizessem bem pela futura sociedade.
Gostava que vissem o grave erro que estão a cometer, e as graves consequências que isso pode ter.

Sem comentários: