terça-feira, 12 de outubro de 2010

Breve post

A primeira vez que disse a alguém que não era heterossexual foi a duas pessoas simultâneamente, duas amigas.
Respondeu-me uma: "Tem calma, está tudo bem. É perfeitamente normal, não tens de te sentir mal.". E a outra, a minha melhor amiga, ficou a olhar para mim com um ar: "Ah, ok. De qualquer forma já sabia.".

Tive óptimas reacções, excepto uma que depois se veio a resolver, em relação a este assunto com os meus amigos. Outra coisa não seria de esperar, não fossem eles meus amigos.
Se com os pais e o resto da família temos de dar um espaço e esperar que "aceitem", com os nossos amigos isso não acontece. Ou não deveria de acontecer.

Os nossos amigos, ao contrário da nossa família de sangue, são aqueles que nos ouvem quando temos algo a dizer dos outros, são quem está connosco por escolha, que gosta de nós por aquilo que somos e não por aquilo que querem que sejamos.

Os nossos amigos não são aqueles que estão connosco porque esperam que venhamos a ser diferentes. Que esperam que mudemos, que voltemos ao normal. Que não nos aceitam como somos. Que gostariam que fossemos outras pessoas.

Os nossos amigos são aqueles que, independentemente de tudo, amam-nos e estão lá.
São esses os amigos.

3 comentários:

joanaa ' disse...

Os verdadeiros amigos.. É verdade.

Four Simple Words disse...

não poderia concordar mais. Posso ter perdido alguns amigos à saída do dito armário mas sei que os que ficam são os verdadeiros =)
os pais como tempo lá nos aceitam, e nunca irei perceber porque éq que essa aceitação não é imedieta (e não me venham dizer que é por terem uma mentalidade diferente)
beijinhos e bom resto de fim de semana =)

B' disse...

Eu também não percebo...
Obrigada e igualmente :)