quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Praxes

Há muito pouco tempo atrás tinha uma opinião negativa sobre as praxes.
Aquilo que ouvia, que me contavam, não eram coisas boas. Depois, vinham noticias de casos excessivos nas praxes, o que me fazia ter uma visão cada vez pior. Achava que os estudantes mais velhos usavam a praxe apenas com um objectivo: humilhar.

Mas mesmo tendo esta opinião, achei que para poder criticar como deve de ser, tinha de ir lá, e ver com os meus próprios olhos, sentir o ambiente, viver um pouco aquilo. O lado de fora nunca sabe o que se passa verdadeiramente lá dentro.

Fui o primeiro dia, não gostei particularmente, forcei-me a ir no segundo, já me senti bem, e quando dei por mim, tinha sido das únicas a ir todos os dias.
Talvez tenha sido sorte, com as pessoas, com o ambiente, com tudo. Mas não senti que me quiseram humilhar. Houve actividades que gostei mais, uma ou outra que gostei menos, mas senti-me integrada. E é esse, no meu ver, o objectivo das praxes: integrar os novos alunos.
E quando chegava à faculdade de manhã, via os alunos mais velhos a chamarem-me e sentarem-se ao meu lado no café para um pouco de conversa.

Desde que haja respeito de ambas as partes, acho que as praxes são uma actividade boa.
Pelo menos, já me sinto e imagino na minha nova faculdade. E não é esse o objectivo?

7 comentários:

pipoque disse...

É mesmo esse o objectivo. Para toda a regra há a excepção, neste caso a excepção são os casos raros que se ouviam falar há alguns anos atrás (mas atenção que continua a existir praxe violenta, pelo menos na minha opinião, em algumas faculdades, principalmente no norte do pais nomeadamente nas agrárias..). Regra geral há sempre umas brincadeiras mais abusivas, mas que penso que acabamos por esquecer porque no fim de todos estes dias de praxe, o que os "mestres"/"doutores"/"veteranos" nos tentam passar é sentir orgulho no nosso curso e na faculdade que nos ensinou a dar os primeiros passos na "vida adulta" e nos formou profissionalmente. Penso que são tradições e tempos que nunca se esquecem, e espero que se vieres a trajar, uses o traje académico com orgulho, e passes esse sentimento aos caloiros do proximo ano.

TimTim disse...

não é mau, é uma simples forma de arranjar amigos.

Kinhas disse...

As melhores memórias que tenho da faculdade são mesmo das praxes!

Uma praxe à maneira ensina-te não apenas o amor à camisola mas também o espírito de solidariedade e criar laços! Tenho grandes amigos desse tempo!

A intenção é essa, embora por vezes, infelizmente, o poder suba à cabeça de Drs, Engºs e afins...

Four Simple Words disse...

Ontem gritei para os meus caloiros "estes são os melhores dias das vossas vidas". É mesmo essa a minha opinião. Amei ser praxada de todo e enho o maior respeito por cada um dos meus "superiores".

Só agora sei o que eles sentiam quando me estavam a praxar. Tenho a maior compaixão pelos meus caloiros e a sensação que tenho de protegê.los. Quero que eles se sintam bem e integrados naquele ambiente e que se divirtam tanto quanto eu me diverti...

Ana disse...

as praxes no meu caso foram mto pacificas. Num curso com 10 pessoas o que mais se poderia querer? o que me fizeram foi giro e deu para conhecer pessoal e entrar no espirito academico, mas vi fazerem muitas coisas com as quais n concordo, e que acho uma idiotice... mas lá esta, e preciso respeito, de ambas as partes, e saber ate onde se pode/deve ir!

Emilie Lorena disse...

Sei que já escreveste isto à algum tempo mas sim é esse mesmo o objectivo! Já fui praxada, já praxei e agora sou finalista e vejo as minhas meninas praxarem. Também tinha medo, apesar de nunca ter ouvido histórias muito más e acredita que ter ido para experimentar foi o melhor que me aconteceu. Fiz lá amigas para a vida, porque na realidade as praxes servem para integração, não só entre as pessoas da mesma turma como entre os vários anos.
As praxes não são um bicho papão, metem só um bocadinho de medo, que acabar por passar!
Boa sorte para o teu percurso na faculdade ;)

B' disse...

Obrigada :)