domingo, 19 de setembro de 2010

Esclarecendo algumas coisas

É compreensível que um pai, uma mãe, seja quem for que nos cria e educa, possa ficar surpreendido, sem compreender, e até algo triste, por o filho ou a filha ser homossexual / bissexual. Dentro da sociedade onde vivemos, é compreensível. Errado, bastante errado, mas percebe-se.


Mas até que ponto têm o direito de agir assim, e de o demonstrar aos filhos?

12 comentários:

strange person disse...

Penso que eles o fazem, por choque, talvez. Porque na realidade, muitos deles costumam habituar-se à ideia e depois muita coisa costuma mudar..

B' disse...

Exacto, e é compreensivel que fiquem chocados. Nunca tinham pensado nisso.
Mas tem o direito de o fazer?, de provocar dor nos filhos por agirem assim?

Anónimo disse...

Têm direito. Se qualquer homossexual/bissexual, ou maior parte, fica muito tempo sem entender, triste e sem perceber o "porquê", quanto mais alguém que sonhou uma vida para nós e que acredita que somos os "padroes normais da sociedade". Temos é de ver essas acções como um processo normal. Eles demorarão ainda mais tempo que nós, o que é normal. Nós estamos a escolher-nos e eles estão a "adaptar-se a nós". Tudo muda e as coisas serão melhores. Se ninguém achar que a acção dos outros é errada (Dentro da normalidade, claro!).
Força :)

B' disse...

Quando nós ficamos desiludidos por sermos homossexuais, somos os unicos prejudicados. Sentimos isso por diversos factores, incluindo não querermos desiludir os nossos pais, mas é uma luta que nos envolve só a nós.

Mas quando alguem que nos ama e, no caso dos pais, tem o dever de nos proteger, nos provoca dor por apenas não correspondermos aos "padroes normais da sociedade", isso já me poe a questionar.
Que seja dificil para eles, eu entendo. Que tenham de fazer a luta interior que os filhos fizeram, eu entendo.
Mas que prejudiquem os filhos, mostrando-lhes que estão desiludidos, na minha opinião (ainda não totalmente formada) diria que não tem esse direito.

O que acha?

um quarto para duas disse...

concordo contigo B'. Não acho que os pais tenham o direito de nos fazer sofrer por algo que nem sequer é uma escolha nossa. Como eu costumo dizer, não preciso que me aceitem, que me deem os parabéns e palmadinhas nas costas, preciso apenas que me respeitem como sou e não como aquilo que eles gostassem que eu fosse. Beijinhos

B' disse...

Exacto. No fundo interessa perceberem que o amor que sentimos por eles é igual. Que aquilo que somos continua igual. A unica coisa que muda é que somos felizes e amamos alguem do mesmo sexo.

Anónimo disse...

Exteriorizar os sentimento, é uma forma de os ultrapassar. Será normal mandarem bocas, fingirem que não existe, isso são coisas que sim, preferiamos que não acontecesse, mas é um processo, a meu ver, que acaba por ser normal. Anormal, é acharem que somos doentes, baterem-nos, expulsarem-nos de casa. Isso sim, é anormal e desumano. O resto, é a forma de se reagir. Eu sei que custa e que ouvimos coisas que esperamos de todos menos dos nossos pais, mas é por serem nossos pais, que dizem tudo. Uma vez a minha mãe disse-me "Amo-te exactamente da mesma forma, mas não me peças para compreender para já". E creio que é exactamente isso. Eles chegarão lá e provocarem-nos dor, é porque nós esperamos muito deles. Temos de aprender a ve-los como alguém que NÃO SABE como reagir e reage assim. Assim como eles terão de nos aprender a ver como alguém que é perfeitamente normal. Que ama exactamente da mesma forma, com respeito e partilha, que a ÚNICA diferença é que a pessoa que ama é do mesmo sexo.
Com tempo, tudo lá vai. E o tempo pressupoe dor, aceitação, mudança. Somos todos capazes, pais e filhos.
Não deixo, no entanto, de te compreender perfeitamente.

patxi disse...

fo o que disse ao meus pais.. quando ele souberam.. se bem que ele soueram de uma maneira que creio foi a pior de todas.. ja la vai 6 anos.. em que a mae da minha namorada a altura, vei ter cim a minha ( não se conheciam) e disse " sou a mão da Alicia.. sabe o qué que a sua filha anda a fazer?! ... anda a foder com a minha!"

e depois de tanta conversa.. era o desgostoa familia.. trataram-me mesmo mal.. durante semanas.. foi horrivel estar em casa.. e a unica coisa que disse foi " continuo a ser exactamente a mesma pessoa.. na mudei em nada..aquilo que faço ou deixo de fazer dentro de quatro paredes não tem nada a ver.. continuo a ser exactamente a pessoa que sempre conheceram.."


Hoje.. dou mito bem com os meus pais.. mas eles tambem não sabem nada d minha vida.. porque quando me perguntam a minha resposta é " se não qeres ouvir as respostas.. não faças perguntas"

é triste.... mas assim vou estando... porque sim é realmente um choque para os pais... mas eles que não pensam que o lado de cá.. é facil de viver.. porque não é!

B' disse...

É por isso mesmo, por esses motivos, que a pergunta onde acaba a comprensão desses sentimentos e começa o não direito de fazerem isso me deixa em duvida.
Porque os argumentos que foram aqui usados podem ser vistos de duas formas.


Patxi, é realmente uma situação muito complicada, o saberem assim. Talvez seja melhor, aos poucos, ir respondendo às perguntas, ir comentando as situações.
Falar custuma dar bom resultado. Força :)




Embora não tenha feito este post por causa de mim, em relação à minha experiencia pessoal sou uma pessoa compreensiva.
Dei o espaço que achei que os meus pais precisavam, dei-lhes o tempo, e eles eventualmente vieram ter comigo para falar, normalmente, do assunto. Foram longos meses, mas é um principio.
Isto para dizer que, mesmo achando que eles não tem o direito de terem agido como agiram, são meus pais. E sei que se agiram como agiram foi, também, por se preocuparem comigo e por me amarem verdadeiramente.
Portanto, tendo ou não o direito de agir assim, cada caso é um caso, e cada um é que pode decidir o que é que vale a pena aguentar.

Anónimo disse...

Concordo plenamente e desejo, de coração, que independentemente de todas as reacções, no meio de tudo, cada família possa encontrar o equilibrio e todos se sentirem amados e felizes.

strange person disse...

Eu tento, ne..

TimTim disse...

Calma! O dia vai chegar, e iremos ser todos iguais. 1º estranha-se dps entranha.se. Já o FP o dizia